Postagem em destaque

Rock on Stage: "Tales Of The Dark Cult " entre os melhores lançamentos nacionais do ano de 2015.

RATTLE citado entre os melhores lançamentos nacionais do ano de 2015!! "No lado do Thrash Metal então é quase um ultraje citar alg...

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Review "TALES OF THE DARK CULT" no Metal Militia


Por Angelo Costa Saggio.
Banda formada em 2009 em Salvador, Bahia, que já tem na bagagem o EP “Hell of the Living Dead, de 2009”. Em 2011, lançaram “Pain Is Inevitable”, split com a banda Hell’s Thrash Horsemen. Em 2012, foram os vencedores da coletânea “Hellstouch” da Shinigami Records que lança agora esse álbum em questão.
Na formação, temos o quarteto formado por Henrique Coqueiro na guitarra, Val Oliveira nos vocais, Eric Dias nas baquetas e Daniel Iannini nas 4 cordas.
Esse primeiro álbum de estúdio foi batizado “Tales of the Dark Cult”, foi gravado, produzido e mixado por Marcos Franco no Revolusom Studios no período de 2013 a 2014, onde o mesmo soube arrancar toda a atmosfera de brutalidade que o som propaga em nossos ouvidos, ou seja, bem simples e sem frescura, para manter toda a essência da proposta e musicalidade da banda que é feita com técnica e propriedade.
A arte foi executada pelo próprio vocalista Val Oliveira e a proposta do grupo é executar um death/thrash clássico com muita propriedade mostrando suas virtudes em todo momento.
Temos as participações do ícone dos filmes B de horror Zé do Caixão, em “The Embodiment of Evil”, Anton Naberius (ETERNAL SACRIFICE) em “The Call of Duty”, Lord Vlad (MALEFACTOR) na “The Dark Cult”, Vitor Morais (violino) na “Insomnia (The Sleep of Reason Produces Monsters)” e Júlio “Nikkury (METROPOLIS e THE ENDLESS FALL) em “Hell of the Living Dead”.
Na parte lírica, temos letras de terror com inspiração em José Mojica Marins (Zé de Caixão), Stephen King, Stanley Kubrick, Edgar A. Poe, Alan Moore, Alfred Hitchcock e muitos outros autores que a banda cita no encarte.
Vamos as onze pauladas, em 56 minutos, abrindo com uma narrativa bem apropriada do Zé do Caixão, em “The Embodiment of Evil” que logo é destilada com riffs significativos e um vocal gutural bem direto.
Na seqüência, vem “The End”, com mais de 6 minutos, iniciando com mais cadência e variando com momentos mais paulada e solos técnicos de guitarra de Henrique.
A terceira faixa é “Semper Fi” que tem um inicio mais trabalhado e que logo descamba numa rifferama, tendo como destaque a base da cozinha forte com altas viradas de bateria e belas passagens de baixo que empolgam e proporcionam um clima épico, com refrão forte.
A quebradeira com riffs intensos e viciantes anuncia “Call of Duty”, que ganha destaque também pela pegada do baixo e solos bem sincronizados, com o vocal gutural old school de Val Oliveira.
Uma das mais diretas é a thrasheira “Operation: Exterminate!”, além de ser uma das mais curtas com um pouco mais de 2 minutos, mas bem eficiente em sua construção.
Já “Whispers” tem quase 8 minutos e tem suas variações rítmicas bem evidentes, ora com riffs marcantes e rapidez e ora quebradeira na medida certa entre bateria, baixo e guitarra.
Na cola, temos “Last Standing Man” que traz um belo refrão, onde exploram seu death/thrash técnico e visceral.
A oitava faixa é “Pay to Enter, Pray to Exit”, onde mostram seu death metal tradicional bem direto que mal dá para respirar e que cativa muito no refrão que te deixa rouco pela intensidade.
Na seqüência, temos “Hell of the Living Dead” que inicia com uma narrativa e que depois descamba naquela pancadaria, com o vocal bem gutural e aquele refrão de dar gosto que gruda na mente.
A penúltima faixa é a instrumental “Insomnia (The Sleep of Reason Produces Monsters)” que tem até violino e terminam com “The Dark Cult” com seus mais de 8 minutos, onde souberam variar bem seu instrumental, com muita sincronia na construção do som e tudo devidamente equilibrado nota por nota, mostrando todas as virtudes de seus músicos, uma quebradeira intrincada entre bateria, baixo e guitarra que dá gosto.
Um petardo que sugiro para aquele fã que curte um som extremo, técnico e direto e que ainda é chegado em histórias de terror das boas.
Banda
Henrique Coqueiro – Guitarra
Val Oliveira – Vocal
Daniel Iannini – Baixo
Eric Dias – Bateria
Sons
01. The Embodiment of Evil
02. The End
03. Semper Fi
04. Call of Duty
05. Operation: Exterminate!
06. Whispers
07. Last Standing Man
08. Pay to Enter, Pray to Exit
09. Hell of the Living Dead
10. Insomnia (The Sleep of Reason Produces Monsters)
11. The Dark Cult
Contatos:
https://www.reverbnation.com/rattle

Publicada anteriormente no site Metal Militia, 26/10/2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow us on FaceBook