Postagem em destaque

Rock on Stage: "Tales Of The Dark Cult " entre os melhores lançamentos nacionais do ano de 2015.

RATTLE citado entre os melhores lançamentos nacionais do ano de 2015!! "No lado do Thrash Metal então é quase um ultraje citar alg...

domingo, 30 de agosto de 2015

Review Metal Samsara



Rattle - Tales of the Dark Cult (CD)

2015 - Shinigami Records - Nacional
Nota 8,5/10,0

Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia


A mistura entre a brutalidade do Death Metal com a energia e técnica do Thrash Metal é algo que vemos muito no Brasil. É uma herança cultural nossa, com raízes no áureo triênio 86-87-88 do século passado. Mas o melhor disso tudo é quando vemos uma banda fugir dos clichês do gênero e dando o melhor de si, fugindo das desculpas e buscando seu espaço com personalidade. E é justamente isso que o quarteto RATTLE, de Salvador (BA), nos concede em seu primeiro álbum, "Tales of the Dark Cult", lançado pela Shinigami Records.

Resultado da promoção ocorrida com a coletânea "Hellstouch", lançada pela Shinigami Records em 2012, onde o RATTLE ganhou o direito de lançar um álbum, podemos aferir que valeu a espera por "Tales of the Dark Cult": o quarteto se diferencia de uma legião de bandas que apenas usam e remixam os velhos clichês do gênero, sem pôr nada de si na música. Com esses filhos da terra do Pelourinho, a criatividade impera, inclusive com algumas doses de melodia no meio da brutalidade, acrescentando um toque de classe ao trabalho agressivo da banda.

Produzido por Marcos Franco, a sonoridade é limpa e pesada, verdade seja dita. Mas há momentos em que os timbres das guitarras poderiam ser melhores. Óbvio que não chega a estragar o trabalho do grupo de forma alguma, apenas poderiam ter aquela famosa dose de peso extra. E a arte, feita pelo vocalista Val Oliveira ficou bem legal, focando um certo feeling de horror cru, na linha do mestre José Mojica, o querido Zé do Caixão (que aparece em "The Embodiement of Evil", tanto na narrativa quanto participando na letra).


Rattle
O quarteto sabe criar bons arranjos, verdade seja dita, e assim, suas músicas são sempre vibrantes, com uma boa riqueza instrumental. E um adendo muito legal são as letras, pois a banda tem uma gama de temas abordados ótima, mas sejamos francos: quando são baseadas em temas de horror à lá Stephen King e Edgar Alan Poe, ninguém segura a banda. E dando uma canja, temos as participações de Lord Vlad (vocalista do MALEFACTOR) em "The Dark Cult", Júlio "Nikkury" Cesar (do METROPOLIS e THE ENDLESS FALL) em "Hell of the Living Dead", Anton Naberius (do ETERNAL SACRIFICE) em "The Call of Duty", Vitor Morais no violino e Daniel Iannini nas orquestrações em " Insomnia (The Sleep of Reason Produces Monsters)", além do mestre Zé do Caixão, já citado acima.

Melhores momentos:

The Embodiment of Evil - Se não reconhecer a voz do "Horror Master" Zé do Caixão no início, você não respeita a si mesmo. Mas logo, a banda mostra uma música rápida (mas com seus momentos mais lentos e intensos), intensa e bem trabalhada, com a base rítmica mostrando ótima técnica e pesada bem pesada.

The End - Aqui, a maior parte da faixa é cadenciada e muito envolvente, mostrando um belíssimo trabalho nas guitarras, fora backing vocals ótimo e muito bem colocados.

Call of Duty - Outra com o tempo não muito rápido, focada no peso e em belos arranjos de guitarra (bastando reparar no solo), e vocais guturais intensos, mas com boa dicção.

Operation: Exterminate! - Curta e rápida, o lado mais Thrash Metal da banda está bem evidente, com aquelas guitarras em riffs ganchudos bem pesados, mas os vocais e backing vocals mostram uma dinâmica bem interessante.

Last Standing Man - Outra em que a pegada Thrash Metal se destaca bastante, embora a base rítmica mostre um trabalho bem mais bruto e intenso em alguns momentos, mas não desprovido de ótima técnica, especialmente o baixo que mostra-se muito bem.

Pay to Enter, Pray to Exit - A famosa faixa "paulada-para-tudo-quanto-é-canto", que tem uma levada que nos trás o MOTORHEAD à mente em vários momentos, inclusive no solo de guitarra. Mas reparem bem como os vocais são muito bem explorados mais uma vez.

The Dark Cult - Por passar dos oito minutos de duração, é uma faixa bem diversificada em termos de base rítmica, levando baixo e bateria a terem que mostrar uma técnica muito boa.

Valeu esperar, pois "Tales of the Dark Cult" é um belo disco, daqueles que você ouve várias vezes, e pune aquele vizinho chato seu que ou te tortura com churrascos com música alta nos fins de semana, ou aquele pentelho fundamentalista cristão que te massacra com música gospel.

É hora do acerto de contas!


Postagem original: Metal Samsara (21/08/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow us on FaceBook